Da série O EROTISMO NOSSO DE CADA DIA – Metrô

pernas.jpg

Cenas registradas pelo olhar da vossa blogueira
Nota: tem que ler as duas historinhas pra fazer sentido

A saia I

Ela entrou na Uruguaiana e sentou-se em frente ao rapazinho de terno azul e sapatos gastos. Ele acompanhou a traseira da sua comportada saia lilás na altura do joelho roçar a barra de apoio dos que viajam em pé. Ela sentou-se à sua frente, no único lugar desocupado do vagão. Parecia exausta após um dia de trabalho de cão em algum prédio escuro e bolorento do Centro.

Ele começou a degustá-la por baixo: pernas bem depiladas com uma tatuagem de elfo na batata esquerda; uma bolsa imitação Louis Vuitton sobre as largas e agarráveis ancas; um decote em V profundo na justíssima blusa rosa que deixava à mostra a marca do biquíni do domingo e a medalhinha de ouro de Nossa Senhora entre os seios volumosos. Ele esqueceu completamente que era quarta-feira e que o Flamengo jogava no Maracanã.

Durante todo o trajeto ela olhou para cima, para baixo, para os lados, seguindo fielmente os guidelines do olhar metroniano, ou seja, alheio a tudo e a todos e, sobretudo, alheio aos olhos gulosos do seu voyeur em movimento. Na Glória, ela tirou da bolsa o gloss melancia e aplicou-o com esmero, apertando levemente os lábios para que não escorresse pelos cantos da boca. Então, lentamente, descruzou as pernas e afastou-as, deixando à mostra o objeto-final do desejo dele.

Pego em flagrante silencioso no Flamengo, o voyeur desviou o olhar pela primeira vez em toda a viagem, numa reação de total surpresa com o improvável. Porém o magnetismo de uma calcinha branca amparada por um par de coxas infinitas trouxe o olhar de volta ao centro do universo.

O mundo dele ruiu justamente quando ele já havia mandando o Mengão ir às favas: ela desceu sem dar sinal algum que desceria em Botafogo, no segundo anterior ao fechamento das portas. Mas, para sua surpresa, o inacreditável: ela parou em frente ao vagão, mexeu o cabelo para o lado e sorriu um sorriso cheio de gloss.

A saia II

Ela entrou na Uruguaiana e sentou-se em frente ao rapazinho de terno azul e sapatos gastos. Ele acompanhou a traseira da sua comportada saia lilás na altura do joelho roçar a barra de apoio dos que viajam em pé. Ela percebeu tudo pelo canto do olho e sentou-se à sua frente, no único lugar desocupado do vagão.

Ele começou a degustá-la por baixo: pernas bem depiladas com uma tatuagem de elfo na batata esquerda; uma bolsa imitação Louis Vuitton sobre as largas e agarráveis ancas; um decote em V profundo na justíssima blusa rosa que deixava à mostra a marca do biquíni do domingo e a medalhinha de ouro de Nossa Senhora entre os seios volumosos. Ele esqueceu completamente que era quarta-feira e que o Flamengo jogava no Maracanã.

Até a Cinelândia ela olhou para cima, para baixo, para os lados, tentando disfarçar o olhar para que parecesse tipicamente metroniano, ou seja, alheio a tudo e a todos, menos aos olhos gulosos do seu voyeur em movimento.

Foram breves, mas determinantes minutos: na Glória, ela tomou a decisão que a libertaria após um dia de cão aturando bronca de patrão em algum prédio escuro e bolorento do Centro.

Gesto planejado milimetricamente de improviso, tirou da bolsa o gloss melancia e aplicou-o com esmero, apertando levemente os lábios para que não escorresse pelos cantos da boca. Então, lentamente, olhando para o final do vagão sem fazer contato visual com seu interlocutor silencioso, mas acompanhado tudo pelo telescópio periférico do seu olhar, descruzou as pernas e afastou-as, exibindo em primeiro plano o objeto final do desejo dele.

Pego em flagrante silencioso no Flamengo, ele desviou o olhar pela primeira vez em toda a viagem, numa reação de total surpresa com o improvável. Porém o magnetismo de uma calcinha branca amparada por um par de coxas infinitas trouxe o olhar de volta ao centro do universo.

Era Botafogo, e o fogo já havia tomado conta dela.

Para que ele não a seguisse, ela desceu no segundo anterior ao fechamento das portas. E para concluir a aventura, posicionou-se em frente ao vagão, mexeu o cabelo para o lado e lhe sorriu um sorriso cheio de gloss.

2 Comments so far

  1. Nuno Virgílio Neto (unregistered) on January 30th, 2007 @ 12:57 pm

    Ô, que maravilha…


  2. J. Menezes (unregistered) on January 30th, 2007 @ 1:52 pm

    Haha se eu andasse de metrô, adoraria ter presenciado essa cena.

    Meu audi a4 me deixa muito longe do povo.
    Fazer o que!!!!

    beijo para você

    J. Menezes



Terms of use | Privacy Policy | Content: Creative Commons | Site and Design © 2009 | Metroblogging ® and Metblogs ® are registered trademarks of Bode Media, Inc.