Instantâneos

Em Botafogo, numa pastelaria da Voluntários, peço à Dona Chinesa-sorridente: Um caldo de cana, por favor. Ela ordena pro atendente: Códo! Bebo o códo e pergunto o preço. Ela devolve: Quê? O preço do caldo. Uom-uau-uen! Caralho, não entendo nada. Olho pro atendente mas ele olha de volta sem ajudar. Descubro o cartaz na parede. Um real e quarenta.

Em Ipanema, no 157, sempre lotado desde que o mundo é mundo, entram na altura do Bar Lagoa três meninas de 20 anos mais ou menos, bem altas, magras, cabelos mudernos, muito brancas e elegantes. Modelitas certamente. As 3 vão em pé, às minhas costas. São paulistanas e falam sem parar. Estão voltando do “trampo” e reclamam do “puta engarrafameeeiiinnnto, meu!”. Mas são tão bonitinhas que relevo o sotaque.

Na Lapa, na encruzilhada do capeta. Anotem aí as três ruas que se cortam: Resende X Inválidos X Mem de Sá. Eu atravesso e chego à calçada mas ouço uma freada logo atrás. Viro a tempo de ver o táxi atropelando uma velhinha, assim meio de lado, que com a porrada dá uma pirueta e cai estatelada com um saco de plástico na mão. Corro até ela e pergunto se está tudo bem. Ela se levanta, despachada: Tá tudo bem meu filho. Mas vou precisar ir na farmácia pra ver se compro uma arnica.

1 Comment so far

  1. letícia (unregistered) on June 29th, 2007 @ 4:26 pm

    na saenssss pennnna tem um yaksoba-podrão. 3.75. o chinês fala “tleis”, perguntei “há quanto tempo mora aqui?” oito anos. deve ser difícil.

    sotaque paulista me irrita, de quando em quando.

    que velhinha interessante. caiu, levantou. louca.



Terms of use | Privacy Policy | Content: Creative Commons | Site and Design © 2009 | Metroblogging ® and Metblogs ® are registered trademarks of Bode Media, Inc.