Malditas festas iguais

Não sei quando foi, mas em algum momento, perceberam que as festas de 15 anos e casamentos estavam se tornando chatas. Perceberam com atraso, rá! Então, se deu início à uma algazarra meio carnavalesca, para trazer mais emoção às tais festas chatiiiinhas. Compram broches de luz, orelhas de coração, pulseiras de néon, gravatas de paetês, e distribuem no salão. Os mais ortodoxos olham desconfiados, refletindo um “onde estão os valores? tsc tsc, mas que bagunça”. Os mais jovens, que amam uma balbúrida, fazem do baile de debutantes um verdadeiro carnaval. Só que, meus amores, é tudo igual. Se ainda fosse um baile de carnaval com mil fantasias diferentes, ahhhh, que maravilha de miscelânia a ser observada. Mas não. A maioria das mulheres usa vestido preto (“não engorda“) e quando recebem os “acessórios da festa” não querem exagerar muito, para não embarangar. Então, colocam com cuidado, o arco de corações que piscam, no cabelo escovado e com reflexos. O que dizer das músicas? QUAL É O SENTIDO – e aqui grito em caps lock, DE SE OUVIR “NEW YORK NEW YORK” numa festa de casamento em pleno Rio de Janeiro? Quantas vezes você já ouviu “Cidade Maravilhosa” numa festa de formatura de formandos em Comunicação Social? E não venham com o papo de que “ahhh, tendo álcool de graça, vale tudo”. Passei da fase do vale-tudo-com-bebida-de-graça. Sentada num canto, com um vestido que não me acompanha, um sapato que me deixa fantasiada, observo de longe a mesmice insuportável dos casamentos, 15 anos e formaturas dos dias de hoje. E em todas as sociais: ricos, classe média e pobres. Tudo a mesma merda. Daqui a pouco, os sucessos do axé, que até eu sei cantar por osmose vital. Discotecas, Bee-Gees, meu pai se levanta, vai dançar. Estou ficando chata. O uísque descendo, mas não ajudando. Agora, claro, funk. O funk ruim. O funk tosco. Porque funk é bom, mas essas pessoas não sabem disso. No banheiro, uma menina comenta: “eu adoro música rave”. Quase vomito o jantar do casamento. Como é que é? Música rave? IH, tô velha. Tô velha e sou tão nova. Todas e todos, com vestidos carérrimos (ou não, rá!) e paletós parecidos, e adereços que brilham, piscam, em cores fluorescentes. Laboratório do comum. Aviso aos navegantes que meu casamento vai ser na praia. E que ninguém gaste dinheiro com uma roupa que só vai usar uma vez na vida. E nada de sapatos. Sempre tiram mesmo, ora bolas. E nada de enfeites moderninhos, made in Japan. Se tudo vira carnaval, confetes e serpentinas serão distribuídas. E quero discursos! Nada de um padre, pastor ou juiz falando texto arcaico com lenga lenga. Quero amigos contando causos e marido declamando poesia. Eu tô delirando? Culpa de outubro.

casamento%20enfeite.JPG
ai, que lindo, né?
pffffff

3 Comments so far

  1. Ilka Porto (unregistered) on October 26th, 2007 @ 11:56 am

    É isso mesmo! Você sai de casa para uma festa dessa sabendo exatamente o que vai ver, ouvir, acontecer… uó. Nem docinhos esplendorosos ou a danada da cachaça dá jeito na chatice…


  2. Rogeria (unregistered) on October 29th, 2007 @ 2:16 pm

    Não julga fofa.
    casamento com o pé cheio de areia pode ser muito chato.
    e te pago se quando tiver a idade do seu pai, vc nao dançar beegees.


  3. letícia - fofa (unregistered) on October 29th, 2007 @ 2:23 pm

    rogéria, pé na areia pode ser chato pra quem? pra vc. vc será convidada?

    ah tá.

    beijo me liga.

    Whether you’re a brother or whether you’re a mother
    You’re stayin’ alive, stayin’ alive
    Feel the city breakin’ and everybody shakin’
    And you’re stayin’ alive, stayin’ alive
    Ah, ah, ah, ah, stayin’ alive, stayin’ alive
    Ah, ah, ah, ah, stayin’ alive



Terms of use | Privacy Policy | Content: Creative Commons | Site and Design © 2009 | Metroblogging ® and Metblogs ® are registered trademarks of Bode Media, Inc.